sábado, 29 de outubro de 2011

Exigem que a Pepsi não utilizem restos de bebes abortados


      A denúncia de um grupo pró-vida de que a empresa internacional de refrigerantes PepsiCo estaria usando linhas celulares de fetos humanos abortados para a pesquisa e melhoramente de seus produtos, fez que um de seus acionistas apresentasse uma resolução para que esta companhia suprima esta prática.
     Em agosto de 2010 a Pepsi Co. assinou um acordo de quatro anos com a companhia Senomyx para desenvolver adoçantes potentencializados para suas bebidas. Por este trabalho, a Pepsi Co. estaria pagando 30 milhões de dólares, pela pesquisa para que no futuro seus produtos sejam manufaturados com esta teconologia.
      Muitas das patentes de Senomyx involucram a linha celular de fetos abortados com o código HEK-293, originada a partir de células dos rins.
O aborto provocado é a eliminação e assassinato de um ser humano dentro do ventre materno. A doutrina católica e a lei natural coincidem em que não existe justificação para esta prática criminosa pois ninguém tem direito a decidir sobre a vida de outra pessoa, muito menos a dos mais fracos, indefesos e inocentes, como os não nascidos.
      O grupo pro-vida da Flórida, Children of God for Life, escreveu a ambas empresas protestando por estas pesquisas. Senomyx não respondeu, porém a Pepsi C. o fez assinalando que as pesquisas dariam como resultado produtos “de grande sabor e com menos calorias”.
      Ante esta situação, um acionista apresentou uma resolução ante a junta de diretores da Pepsi para adotar uma política que “reconheça os direitos humanos e utilize padrões éticos que não incluam o uso de restos de seres humanos abortados em pesquisas privadas e compartilhadas assim como nestes acordos de desenvolvimento”.
      Debi Vinnedge, diretor executivo de Children of God for Life, assinalou que cada acionista tem “o direito de saber a verdade sobre o que a companhia está fazendo com suas economias duramente alcançadas”.
      “A falta de respeito da Pepsi Co. à sensibilidade motal pública só tem servido para avivar o fogo e as ameaças ao valor das ações, as pensões por aposentadoria e os investimentos”, acrescentou.
      Também disse que “não existe nada ético ou apropiado na maneira pela qual estão explorando os restos de crianças inocentes abortadas”.
      Children of God for Life respondeu a esta situação convocando a um boicote para deixar de adquirir os produtos da companhia.
      HazteOir.org, a plataforma cidadã da Espanha, fez eco a esta convocatória e insistiu que o boicote se estenda desde os Estados Unidos até a península ibérica, Australia, Alemania, Irlanda, Escócia, Polônia e Reino Unido.


FUENTE: ATLANTA, 27 Oct. 11 / 04:15 pm (ACI/EWTN Noticias)

3 comentários:

Anônimo disse...

a que ponto chegou a humanidade, utilizar-se de uma prática tão horrível, para aumentar seus milhões... onde vamos chegar? será que já não estamos em pleno apocalipse? quando vejo essas atitudes, tenho vergonha de ser humana, preferia ser um animalzinho...

Alexandre Cavalcanti disse...

Os animais não têm responsabilidade pelo que fazem e por isso cumprem com os instintos que Deus lhes concedeu. O homem tem a liberdade, que é a possibilidade de fazer o bem, entretanto entendem esta liberdade como a possibilidade de fazerem o que querem. O homicídio voluntário é um pecado que «clama a Deus por vingança» e o aborto é o pior dos homicídios voluntários, pois o inocente, indefeso é morto por aquela pessoa a quem Deus deu a missão de defender esta nova criatura, ou seja a própria mãe!

artur burle disse...

Meu Deus, o que dizer...